Lola Antunes

Foto: Giovani Garcia

Foto: Giovani Garcia

Metamorfose ambulante. A brincadeira com a música do Raul Seixas nada tem a ver com a minha personalidade de uma maneira geral, mas diz muito sobre o meu momento atual. Em 10 anos profissão, nunca pensei assumir um projeto completamente autoral. Como boa jornalista, sempre gostei de assinar matérias, buscar novidades, produzir pautas, descobrir tendências e trazer ao mundo notícias e, principalmente, boas histórias. Se antes era o esporte que fazia o meu sangue ferver, em especial o futebol, com o passar dos anos fui descobrindo novas paixões. Não que o sonho com o casamento não me acompanhasse desde pequena. Ele sempre esteve lá, crescendo comigo, mas nunca imaginei que esse amor poderia se profissionalizar, se transformar em um blog.

É engraçado. Desde pequena lembro de ouvir falar em uma tal maturidade que a mulher começa a adquirir aos 30 anos de idade. Mais ainda, já cansei de ler colunas, textos e mais textos com as reflexões sobre a diferença de se ter uma paixão adolescente e um amor. Pleno, completo. Um amor! É justamente nesse momento em que me encontro. Em uma transição. A paixão pelo esporte continua comigo. Nunca vou deixar o Fluminense de lado. Impossível, ele faz parte de mim, da minha essência. Mas estou em busca de um amor maduro. Uma estabilidade. Uma troca de ideias, de inspirações, de histórias de vida. De amor no sentido mais amplo da palavra.

Ao completar 10 anos de profissão, me pergunto: por que não? Percorri uma longa estrada para chegar até aqui. Comecei aos 17 anos de idade na Band. A estagiária mais nova da história da emissora até então. De lá acumulei grandes experiências: Site Oficial do Botafogo, Assessoria da Confederação Sulamericana de Vôlei, Site Oficial do Fluminense, TV Globo e Agência Ideal, atendendo a queridos clientes como o hotel JW Marriott Rio de Janeiro, AlugueTemporada, NBA Global Games e XGames.

Foi no meio desses projetos que decidi ampliar a minha formação profissional e fazer um curso de pós-graduação em marketing esportivo. Tiro certeiro! Melhor escolha da vida. Foi lá que conheci o Pedro Henrique, meu marido querido. Na vida pessoal, hoje me considero uma mulher completa. E foi justamente ao encontrar meu grande amor, que os caminhos começaram a se cruzar, ou melhor: a se abrir. A vontade é construir uma nova história. Não mais relatar as boas que me contavam nas entrevistas. E sim a minha história. Foi a partir do meu casamento que esse novo amor profissional brotou, cresceu e agora se concretiza. O tempo é agora. E uma coisa eu garanto, vai ser feito de coração.